A BELEZA COREANA

Monoceros
 Olá, pessoal <3 Parece que eu realmente estou de volta. Fiquei doente novamente, mais um tipo de intoxicação alimentar. Meu estômago anda muito sensível, scrr XD Ainda não me sinto 100% bem, isso pode durar até uma semana, mas acredito que, até este domingo, eu esteja totalmente bem. Mandem pensamentos positivos para mim, por favor, asdfgh. Quero agradecer por todos os comentários do último post. Achei que, pelo tempo sem postar, ninguém lembraria da existência do meu Blog. Muito obrigada, vocês são lindos ♡ Já estou retribuindo todos <3
Agora, indo ao tema de hoje. Vamos falar sobre um assunto sério. Acredito que todos vocês já estejam cientes da história de Lee Yei, não é mesmo? Para aqueles que não sabem, ela era uma menina sul-coreana, que supostamente cometeu suicídio por não aguentar mais a pressão da mãe e dos seus colegas de classe, simplesmente por ela não se encaixar no padrão de beleza. Aqueles que admiram a cultura coreana já estão cansados de saber do quão violento é esse padrão só julgando pelo tipo ideal dos bias, né? Vamos falar sobre isso hoje.
Há boatos de que essa história tenha sido inventada, porém, com toda essa repercussão, me fez sentir necessidade em contar um pouco sobre o que já aconteceu comigo. Lidem com esse post como uma forma de desabafo. Espero que não se importem por ser uma postagem assim, mas precisamos falar sobre isso.

Todo país possui um padrão de beleza e todos sofrem pressão para ser o mais parecido possível com aquilo que julgamos ser o perfeito. Caso você escolha não seguir este padrão ou qualquer outro, as pessoas irão te julgar, irão te menosprezar e te excluir. As vezes, o problema nem são as outras pessoas, mas você mesmo se julga.   

Eu conheci o KPOP em 2011 através do Blogger. Só escutava alguns grupos, como 2NE1, e BIGBANG, nada muito além disso, os mais famosos nas playlists dos Blogs na época. Fui me aprofundando nesse mundo só em 2012/2013. Foi então que descobri o nome dado às fofas modelos asiáticas que ilustravam muitos Blogs famosos, as Ulzzangs. Essas modelos são realmente tudo o que o padrão de beleza coreano pede: brancas, de rosto fino, boca pequena, nariz fino, pernas finas e etc.

Monoceros

Junto desta descoberta, também soube da existência de um grupo para brasileiros que seguiam esse conceito no Facebook. Quis seguir também me motivando com as pessoas que postavam lá, mas como Ulzzang e não Black Ulzzang. Eu sou negra, porém não tão escura. Por este motivo, e pelo fato de que o racismo tende a fazer as pessoas pensarem que ser negro é algo negativo, sempre me diziam "Ah, mas você não é tão negra assim" e "Não, você é só muito bronzeada". Cresci ouvindo esse tipo de coisa e acreditando que eu era realmente apenas bronzeada, apesar de a minha inteira por parte de mãe ser formada por negros.

E eu não queria apenas seguir o conceito, só me vestindo como Ulzzang para tirar fotos. Queria seguir como um estilo e ser Ulzzang o tempo todo, porque achava essas modelos perfeitas e eu tinha uma autoestima horrível, achava defeito em tudo no meu corpo. Eu odiava a minha cor, meu cabelo, minhas pernas, tudo. Passei muito tempo assistindo vídeos de dicas para seguir o conceito e em algumas pesquisadas desses vídeos, encontrei um com dúvidas de iniciantes muito frequentes. A moça respondia todas com muita paciência e era um amor, mas foi uma das respostas dela que me motivaram a parar de tomar Sol. Eu tenho falta de vitamina D, o que é uma coisa recorrente hoje em dia em grande parte dos jovens, porém a minha falta chegou a quase zero, o que não é nada comum. 

A moça do vídeo respondeu à pergunta "Quero ser Ulzzang, mas sou muito escura para isso. Como faço?" dizendo "Pare de tomar Sol. Ou, se caso você for negra, pode ser Black Ulzzang". Como eu sempre ouvi que era apenas bronzeada, decidi que pararia de tomar Sol e assim fiz. Quando precisava sair, comecei a usar blusas de frio. Eu já tinha vergonha das minhas pernas, então usar calças o tempo todo não era um problema. Até mesmo no verão usava essas roupas, o Sol aparece mais forte nessa época e eu queria me esconder dele. Mas eu não enxergava um clareamento da minha pele, por que, né? Eu não sou branca. Isso não daria certo. 

Um dos traços fortes em negros são lábios carnudos. Eu não os tenho tão grandes, porém consideráveis, o que me fazia sentir dificuldade para fazer o Gradient Lips (técnica usada na maquiagem Ulzzang para diminuir a boca). Dava para notar o quão grande minha boca era e isso me deixava frustrada. Outra coisa que me desmotivava com o conceito, eram minhas pernas. Não são nada finas e minhas coxas são grossas, apesar de eu ser magra. Isso é uma característica hereditária que, hoje em dia, acho lindo. Eu procurava o espaço entre as minhas pernas quando as juntava e, claro, nunca consegui tê-lo. Eu cheguei a parar de comer algumas besteiras, como chocolates, para ver se minhas pernas afinavam. Isso foi um ponto bom para eu parar de comer porcarias, mas me fez emagrecer para abaixo do peso ideal para minha altura e idade. Nada muito abaixo, ainda bem, apenas 2 quilos a menos. 

Eu passei por essas coisas sozinha, porque eu achava que era normal se achar feio, não falava para os meus pais (assuntos relacionados com beleza me davam vergonha de discutir com eles também, outro ponto para eu me calar). Achava que era normal passar por isso para alcançar alguma imagem que você gostaria de ter. Eu era só uma criança, tinha 12 anos.

Por conta da falta de vitamina D, eu estava ficando deprimida, sem motivação e cansada sem motivo, estava doente. Minha mãe notou e me levou no médico. Então, descobri. Estava com uma taxa de vitamina D extremamente baixa e precisava de tratamento urgente e uma pequena reposição de peso. Minha mãe não sabia o motivo para ter ocasionado essa falta de vitamina, ela achava que aconteceu por conta de eu não sair muito. Isso também ajudou para acontecer, mas ela não sabia que eu não saía para ter a pele mais clara.

Tinha 14 anos quando descobri e me trato até hoje, com 16 anos, estou bem próximo de conseguir a taxa considerada normal e estou muito feliz por isso. Desisti de ser Ulzzang com 13 para 14 anos, bem na época que conheci uns amigos ótimos que me ajudaram a adquirir amor próprio e hoje admiro cada centímetro do meu corpo <3 Poderia ter tentado continuar com o conceito como Black Ulzzang sim, porém não acho mais que o mundo Ulzzang combine comigo.

Ao contrário da minha história, a da Lee Yei não acabou nada bem. A pressão que ela sofria era direta. No meu caso, eu só idealizei aquela beleza como a perfeita, porque eu admirava meus idols coreanos e achava que aquela era a beleza "correta" e que eu deveria alcançar, na minha visão da época. Meus amigos e meus pais nunca cobraram de mim ser bonita, só me apoiam. Caso contrário, minha história poderia ter sido como a dessa moça. Seus amigos não a ajudavam e ela não recebeu apoio nem mesmo de sua mãe.

Monoceros


Infelizmente, ela não foi a única que se suicidou no país aquele dia. Mais de 30 pessoas se suicidam por dia na Coreia. Eles não tiraram as suas vidas, tiveram suas vidas arrancadas por cada um que os julgaram.

Muitos estão dizendo que a história dela é falsa e estão trabalhando para provar a mentira. Sendo uma personagem fictícia ou não, não foi apenas Lee Yei que passou por isso. Isso acontece de verdade com muuuitas pessoas todos os dias. Deixo aqui a minha história como uma ajuda aos que também têm problemas com sua autoestima, para que não façam o mesmo que eu ou, até mesmo, que a Lee Yei.
EDIT: Foi provado que essa história é falsa
-----------------------------------------------------------------------------------------------

Peço desculpas pelo tamanho do texto e agradeço a todos que leram até aqui, até mesmo aos que desistiram no meio do caminho.
Lembre-se: você é lindo <3

5 comentários:

  1. Oi Rafaela, como vai?
    Chamo - me Ravenna, e já passei por isso que você passou, não foi tão intenso assim, por que eu tenho um defeito que me fez parar de tentar me encaixar nos padrões de beleza, e naquele momento terrível da minha vidinha, eu comecei a amar ele.
    Eu desisto rápido das coisas, mesmo sendo uma coisa que quero muito, eu sempre desisto, ou me canso quando sei que não vou conseguir.
    Não é uma coisa boa, em muitos pontos e em muitas situações, desistir rápido não é a melhor escolha a ser feita...

    Eu sou parda, de cabelos castanhos longos e cacheados. Em 2015, cortei meu cabelo sozinha em casa, por que quando alguém me decepciona, eu faço a primeira coisa que me vem na cabeça, e então, eu comecei a andar com os cabelos presos, eles sempre ficavam presos, por que quando ficam curtos, eles sobem, mas tem uns que ficam bonitos, outros ficam feios, o meu ficava feio e eu odiava ele, então, eu comecei a pensar em fazer alguma coisa pro meu cabelo ficar liso, fiz todas as receitas caseiras que você imaginar, por que não poda chegar na minha mãe e pedir pra ela comprar os produtos, é caro. Então, deixei eles presos, iria apenas deixá-los crescer. Não sei se você sabe, mas quando o cabelo fica preso por muito tempo sua cabeça fica doendo, e a cada HORA eu tomava um remédio,minha mãe já tava achando estranho, por que antes não sentia tanta dor de cabeça, e ela já queria me levar no médico, mas se fosse, teria que dizer o motivo dele ficar sempre preso, e mãe sabe quando a gente ta mentindo, então apenas disse pra ela que era por que tava ouvindo música muito auta nos fones de ouvido e pah, ela pegou meus fones. Minhas coxas são grossas, e isso me incomoda muito, minhas sombrancelhas são juntas (ou eram), meu rosto é estranho, digo, o formato dele, os meninos na sala me zuavam pra carai, e pra piorar, todas as minhas colegas tem cabelos lisos. Minha relação com minha mãe é terrível, já fugi de casa várias vezes por causa disso, mas não consigo ficar longe, meu pai me deixou quando eu tinha 7 anos, e eu sempre me lembro de tudo que me faz triste, minha altistima também é péssima, e fotos? até o meio do ano passado eu não tinha UMA foto minha em meu próprio celular por não me aceitar como eu sou, já tinha tentado me matar, mas ai parei...parei de tentar me encaixar, vi que nunca iria conseguir, então comecei a me amar como sou, comecei a me valorizar, comecei a cuidar mais de mim, não mudei lá essas coisas, mas mudei o suficiente pra me sentir bem comigo mesmo, minhas amigas me ajudaram muito com isso e sou grata a elas por isso.

    Achei esse seu texto lindo, queria conseguir me expressar bem como você, sei o que escrever, sei o que quero escrever, sei o tema, mas não sei colocar no papel, desculpa se não entendeu o meu texto, ou melhor, nem precisa ler, você não iria entender nada.

    Eu não conhecia a Lee Yei até ontem, quando tava no AMINO, ai eu fui saber, não tenho Twitter ai complica. Bom, toda vez que leio algo sobre a Lee Yei, vou ser sincera, não me vem ABSOLUTAMENTE nada na minha cabeça, só que queria ter conhecido ela e ter ido pra coreia e ter trago ela pra cá pra cuidar dela... eu queria muito que esse negócio de padrão de beleza não existisse, acho que se os pais soubessem dessas histórias, eles iriam dizer todos os dias o quão lindos eles são pra não tentar se encaixar em padrões por que não leva a lugar nenhum além do sofrimento, dor e mais decepção por não ter conseguido ficar igual a outras meninas por ai...simplesmente não vale a pena.

    kissus ஐミ★ɗɛɑʀ uɳicѳʀɳ ...★彡ஐ

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Ravenna <3 Mana, isso não é um defeito. Você tem o dom de não ir além do que pode para se encaixar num padrão, haha.

      Achei a sua história linda <3 Imaginei seu cabelo cacheado <3 Meu cabelo é bem onduladão e nas pontas faz cachos, felizmente nunca tive problemas com ele, principalmente porque o conceito Ulzzang aceitava o meu cabelo e poderia usar perucas também.
      É bem triste quando você se sente diferente. Por exemplo, no seu caso, as suas colegas têm cabelo liso e os meninos te zoavam, isso só piora ;-;
      Ainda não superei essa parte de tirar fotos, haha. Ainda não consigo, mas estou tentando aos pouquinhos.
      Considero o seu caso bem mais intenso que o meu, nunca cogitei me matar. Você foi muito forte.
      Você se expressou muito bem, li tudinho e entendi tudo. Você foi incrível <3
      Siiim, queria muito que o padrão de beleza também não existisse. Também queria ter tido a oportunidade de cuidar a Lee Yei e dizer a ela o quão linda ela era/é.

      Obrigada pelo seu comentário e por ter compartilhado sua história comigo ♡

      Excluir
  2. Oie <3 É minha primeira vez aqui no seu bloguinho e eu já amei <3
    Espero que fique melhor, moça <3 Não sabia da história dessa garota até ler agora aqui. Realmente fiquei muito chocada com a história dela e estou sem palavras.
    O padrão de beleza sul-coreano é muito cruel e chega até ser doentio. Tá certo que em cada país existe um padrão de beleza (no Ocidente, por exemplo, o padrão a ser como as Kardashians ~que eu não curto muito, só um gosto um pouquinho da Kendall e olhe lá~), mas eu fico assustada com os coreanos, eles parecem ser muito bitolados nisso. Já vi documentários falando sobre isso também. Tipo, lá é comum os pais darem de presente para os filhos cirurgias plásticas, quando eles são aceitos em uma universidade, enquanto que aqui normalmente é outra coisa, tipo um carro ou um apartamento (quando a família é rica, é claro) e lá também é comum pessoas mais bonitas conseguirem mais oportunidades de emprego :/ (na verdade é assim em todo lugar, convenhamos) o que é triste, pois deveria se valorizar a capacidade intelectual da pessoa, não sua aparência física.
    Agora sobre as ulzzangs, eu me identifiquei muito com você. Há uns anos, eu encuquei na cabeça que eu queria ser uma, e eu queria ser igual uma coreana. Eu queria ser mais magra, ter o nariz mais fino, e o cabelo liso. Não cheguei a ter problemas por causa disso (tipo de saúde, igual você teve), porque logo eu percebi que nada daquilo valia pena, e que eu estava tentando ser uma pessoa que tinha nada haver comigo.

    Adorei o post, moça e já estou seguindo seu blog <3

    Ending Page

    ResponderExcluir
  3. Olá ~
    Espero que você se recupere e fique bem logo, de verdade <33.

    Sobre a Lee Yei, eu fiquei com muita raiva de toda essa historia. Não fiquei com raiva por ter sido enganada e sim porque assunto como esse não se brinca. Apesar de tudo, mesmo sendo mentira, a historia é real. Existe muitas historias parecidas com a da Lee Yei não só na Coreia como no mundo todo.

    Eu me identifiquei um pouco com sua historia tentando ser Ulzzang. Conheci o estilo no final de 2013 e meu sonho era se tornar uma também. E que nem você disse, eu queria ser Ulzzang, não só tirar fotos. Só que com o tempo eu percebi que nunca me encaixaria nos padrões porque não sou magra. Assim como você, também tenho coxas grossas, mas não só coxas como também meus braços.
    Ja fiz regime quando era mais nova (realmente precisei fazer porque era obesa) e parece que minha cabeça continua naquela época, continuo achando que eu sou aquilo que eu era antes. Quando eu conheci o Ulzzang eu fui ficando pior só que hoje eu to ficando mais acostumada com isso. Não me acho linda e maravilhosa mas com o tempo as coisas vão melhorando.

    E sobre a Lee Yei, eu acabei falando ja no inicio do comentário então não falarei de novo auhsuhas.

    Gostei bastante do seu post.

    Chu~ Sugar Free

    ResponderExcluir
  4. Hellou Rafaela, ser Ulzzang é uma coisa tão superficial e sempre achei, sempre achei bonito e não posso negar o olho puxado, sempre e quando desde muito nova diziam que eu tinha o olho meu puxado eu ficava muito feliz, depois que conheci o kpop como a maioria das pessoas do meio, só queria me parecer mais com as k-idols mas ninguém pode se comparar a ninguém, aliás eu tem que ser bonita para mim. Enfim, a questão é que nunca achei ulzzang bonito com aquelas lentes e olhos grandes, se parecer com uma boneca não é bonito, sofrer por causa disso não é também, somos o que somos, não ter olhos puxados, ou ser negra não é feio é de nós, somos assim e temos que ter orgulho disso, aliás tem pessoas asiáticas que não queriam ser, como o mundo está ao avesso certo?

    yeah-dreamhigh.blogspot.com

    ResponderExcluir